02/07
2015

Em clima de Expoagro

Escolha sua bota, um agasalho bem quente e estiloso e reúna os amigos. É época de Expoagro, a tradicional Exposição Agropecuária de Governador Valadares, ou, como dizem por aí: a maior festa do Interior de Minas Gerais.
 
Os apreciadores da música sertaneja podem comemorar, pois neste ano o evento trará grandes nomes do gênero musical, desde os consagrados, como Leonardo e Eduardo Costa, até os atuais fenômenos de venda de CD’s, DVD’s e audiência nas rádios, principais representantes do chamado “sertanejo universitário”: Jorge e Mateus e Henrique e Diego.
 
A diversidade da festa prova que a Expoagro 2015 é para todos! Pre-pa-ra que Anitta, a rainha do funk já confirmou presença no camarote. Se prefere curtir a sofrência e dançar ao som de arrocha, o Pablo está chegando em vez de ir embora (rs). O pagode baiano fica por conta de Léo Santana, ex vocalista da banca Parangolé.
 
Motivos para você vir a Valadares curtir a Expoagro 2015 não faltam. Faça já sua reserva (link) no Ibituruna Center Hotel e garante a melhor estadia da cidade.
 

Confira a tabela de preços da pista e camarote:

 
11108388_987478971286164_5942995085506964286_n 11108388_987480071286054_8598677846783596246_n
 

Veja a estrutura do evento:

 
10898232_987942037906524_6046216730389280552_n

 
12/06
2015

Santo Antônio, padroeiro de Valadares

Feriado que cai num sábado não é nada legal, concordam? Mas para os católicos hoje é um dia muito especial e que merece ser festejado. O santo casamenteiro e das causas impossíveis, como é conhecido, morreu há 784 anos e até hoje é lembrado e admirado por muitos. Conheça um pouco da história de Santo Antônio, padroeiro de Governador Valadares, contata por Dom Werner, bispo emérito da cidade:
 

“…As pessoas ficaram boquiabertas pela inteligência, facilidade de expressar, gentileza, sorriso, pela maneira como se dirigia as pessoas, com o conhecimento pela Sagrada Escritura e Teologia, ficaram impressionados. Foi o nascimento praticamente de Santo Antônio, ou seja, o nascimento dele como teólogo, religiosos como membro vivo e atuante na Igreja.
Por causa disso, ele foi com um grupo de missionários à regiões da Europa onde algumas seitas tinham tomado conta da situação e irmãos saído da Igreja Católica. Ele foi mandando para esses centros onde o protestantismo tomou conta da situação. Começou a pregar, com pouco tempo, as Igrejas, não cabiam mais de tanta gente, as praças públicas e tanta gente voltou para a Igreja que ele foi chamado ‘caçador das almas’ por causa das pregações, do jeito, do conhecimento, da santidade dele.
Passou os últimos quatro anos em Pádua, de onde passou a ser chamado Santo Antônio de Pádua. Ao pregar ali, mudou completamente a situação da sociedade. Famílias faziam as pazes, inimigos se davam as mãos, começavam a frequentar a missa dominical, uma lei em favor dos pobres foi evitada, que até hoje existe, é de origem de Santo Antônio e surgiu também aquilo que vocês conhecem, o pão de Santo Antônio, até hoje usado em nossas paróquias. Ele introduziu o pão de Santo Antônio para ajudar os pobres. Em resumo, um grande santo, uma grande figura, um grande exemplo. Aquilo que vários santos chamaram, o evangelho colocado em prática”.

 
(Trecho da homilia retirada do site http://trezena.catedralvaladares.org.br/santo-antonio-o-cacador-de-almas-diz-dom-werner/)
Que Santo Antônio seja nossa inspiração do bem (e que ano que vem o feriado não caia no final de semana, né?!) 😉

 
01/06
2015

Faça do 12/06/2015 um dia inesquecível

Coração acelerado, mãos suando, sorriso fácil… O diagnóstico não resta dúvidas: é amor! Um mais um, conta simples, capaz de transformar uma pessoa. Dividir o mundo com alguém é, na verdade, multilicar-se. A quatro mãos (dadas).
 
Para elas, o futebol não será mais uma incógnita e, para eles, a moda começa a fazer um pouco de sentido. As prioridades são repensadas e ele (a) se encaixa perfeitamente em seus sonhos e planos.
 
A data mais romântica do ano está chegando. Faça desse 12 de junho um dia inesquecível. Comemore no conforto do Ibituruna Center Hotel.
 
Conheça aqui nossas suítes e reserve a que mais te agrada.
 

 
15/05
2015

Balada eletrônica é na Mary’s Club

O público da noite valadarense é bem eclético, mas não abre mão de curtir as tradicionais festas de axé e sertanejo, presenças sempre confirmadas no calendário anual da cidade. Por isso, pensando naqueles que adoram se jogar na baldada ao som de “Tuntz tuntz tuntz”, o empresário Leo da XX, transformou uma antiga casa de shows na Ilha dos Araújos em uma das maiores boates de música eletrônica do leste de Minas Gerais, a Mary’s Club.
 
“A proposta da Mary’s é trazer tudo que há de ‘novidadeiro’ e atual no cenário da música POP e eletrônica das capitais brasileiras. Propostas, temáticas e atrações de nível nacional, para todos os gostos e tipos”, garante o gerente artístico e DJ residente Melques Júnior.
 
No começo, a ideia era trazer uma casa exclusivamente de música eletrônica e suas diversas vertentes, como o mais comercial eletro house, o tribal (direcionado ao público GLS), além do Progressive e afins. Mas ao passar do tempo, eles foram analisando os gostos e hábitos do público local e perceberam que era preciso estender o leque de estilos musicais, para atrair e fidelizar mais gente. Agora, “a música POP e FUNK, também estão sendo super bem aceitas, o que é sinônimo de casa sempre cheia”.
 
A dica é boa pra quem não consegue controlar as pernas quando uma música começa a tocar. A Mary’s Club abre às sextas e sábados a partir das 22h e fica na avenida São Francisco, 68, Ilha dos Araújos.
 
Se você adora uma balada, não deixe de conferir os próximos posts. O Ibituruna Center Hotel está selecionando o que há de melhor em Governador Valadares para que seus dias de hospedagem aqui sejam de muita diversão!

 
20/04
2015

Vem pro Gevê Folia!

A maior micareta do interior de Minas Gerais está se aproximando. O veterano Gevê Folia, em sua 20ª edição, promete ser de longe a melhor festa de Governador Valadares e região, como garante o produtor do evento, Fábio Gomes, o Fabim Tupete. “Em 2015 as novidades são muitas, pois pensamos sempre na alegria do folião. Teremos: novo formato dos camarotes empresariais, que desde o ano passado deixaram de ter dois pavimentos, esse ano serão maiores e proporcionarão mais conforto para os foliões; o camarote Real e o 360° também têm mudanças. Os foliões poderão acompanhar o trio pela parte de dentro do redondel (área gramada), sem esquecer, é claro, do bloco ‘É o bicho’, uma ótima opção para aqueles foliões que não abrem mão de ir atrás do trio”, afirma.
 

Após duas décadas de evento, há muito o que refletir sobre tudo que já foi feito. Fábio ressalta que  “a meta em 2015 é reparar algumas falhas. Sempre acreditamos que o melhor evento é aquele que está para acontecer, então Gevê Folia – 20 anos vai ser o melhor de todos os tempos”, garante.
 

Para “rolar a festa”, a produção está trazendo ninguém menos que a rainha Ivete Sangalo, a banda Psirico, com muito “Lepo Lepo”, Tuca Fernandes, Durval Lelys e a dupla sertaneja que conquistou o coração dos brasileiros: Henrique & Juliano.
 

“É inegável que o sertanejo tomou conta do país inteiro. Com os anos eles vieram inovando, se reinventando, perceberam uma ‘brecha’ no meio do Axé e iniciaram o popularmente conhecido como Sertanejo Elétrico.A grande sensação do estilo musical do momento é indiscutivelmente a dupla Henrique & Juliano – dona dos sucessos ‘Até você voltar’ e ‘Cuida bem dela’, que vem batendo recorde de público em todas as apresentações e que está com a agenda cheia até o final do ano”.
 

Uffa! Haja pique pra pular a noite inteira. Depois dessa, só mesmo  uma caminha aconchegante e um ar condicionado “torando”, que, convenhamos, é indispensável nas altas temperaturas da nossa cidade. Mas se você não é de Valadares, não se preocupe! Temos uma excelente opção para lhe proporcionar muiiitooo conforto. Faça já sua reserva no Ibituruna Center Hotel e #vempraValadares curtir o #GevêFolia20anos!
 

 
27/02
2015

Desvendando Valadares: surf no Rio Doce

Que Hawaii que nada! A onda agora é surfar no Rio Doce. Que dirá o mergulhador, paraquedista, snowboarder, viajante e surfista, bem como se descreve em seu perfil no Instagram, Fernando Mourão. Já íamos nos esquecendo… Além disso tudo ele também é médico. Acredite.
 
Apaixonado por esportes radicais, ele conta que esse vício surgiu quando ainda era criança, devido a falta de habilidades com os esportes que envolvem bola, um verdadeiro perna-de-pau do futebol. Viajar também está na lista dos hobbies preferidos dele. Embora já tenha visitado muitos lugares, não nega o amor que sente por sua terra natal. “Já viajei para algumas cidades do litoral, interior do Brasil e até fora, mas Valadares é minha cidade preferida”, declara.
 
Bom, se o rapaz não esconde sua estima por Valadares e é apaixonado por adrenalina, o jeito é se arriscar por aqui mesmo. “Todo ano durante a época de chuvas eu marco presença no Rio Doce, independente de onde eu estiver morando”, comenta. Vamos combinar que nosso rio não é assim… O mais limpo do mundo, sabe?! Mas oferece condições ideais para a prática do surf, com correntezas e, até mesmo ondas em alguns pontos.
 
Mas como todos os esportes radicais, o surf exige muita segurança. “Nunca pratique sozinho. É preciso ter sempre alguém de olho em você, seja seu parceiro de treino, ou até mesmo na margem do rio. Para evitar qualquer transtorno, a pessoa deve ser instruída por um bom profissional, desde as técnicas básicas até os equipamentos fundamentais”, orienta. Se a dica é de médico, melhor obedecer, né?!
 
Numa cidade em que muitas pessoas não enxergam oportunidades para o esporte e lazer, Fernando prova que basta ter um espírito de aventura, equipamentos de segurança e uma galera que topa qualquer parada para se divertir! “Todos os esportes são legais. O que deixa o momento ainda mais prazeroso são as amizades novas que fazemos, o contato com a natureza, os perrengues, as viagens, a sensação de estar relaxado e a lembrança que trás ao relembrar dos momentos vividos e compartilhados com os amigos”.
 
Depois de surfar no Rio Doce e no asfalto, escalar paredões e fazer rapel  e ainda sobrevoar toda Governador Valadares, nossa série “Desvendando Valadares” chega ao fim com um exemplo de que quem faz uma cidade ser divertida: nós mesmos.
 
Agradecemos ao doutor aventureiro que nos ajudou fechar essa série em grande estilo. Obrigado, Fernando Mourão!

 

 
12/02
2015

Desvendando Valadares: skate

“Me basta que venha do surf
Me basta viver do skate
Me basta que venha do coração
Me basta viver da mente”

 
Chorão, líder da banda Charliw Brown Jr. costumava revelar em suas letras a personalidade de um skatista que não se contenta com o óbvio, o básico. Alguém que quer sempre mais, quer superar os desafios de seu esporte e da vida.

 
Foi na Califórnia em que tudo começou, quando surfistas resolveram levar o esporte do mar para o asfalto. A prancha, então, precisou de rodinhas, mas a adrenalina continuou a mesma. A partir daí o skate tomou conta das ruas, as praças receberam rampas e nem as escadas ficaram de fora. Afinal, quem disse que um sujeito radical tem limites?

 
Aqui em Valadares as praças também aderiram ao estilo radical de ser e implementaram rampas nos projetos de arquitetura. Mas nem todo skatista se diverte “só” nas rampas. O Moacir Neto, por exemplo, pratica o esporte há 11 anos e afirma preferir a escada. Isso mesmo! Acredite se quiser! Segundo ele, “a pratica fica ainda MAIS desafiadora”. O sk8 na vida dele é mais que um esporte e diversão. Ele encara como uma profissão mesmo e sempre participa de campeonatos. As competições são organizadas pela Associação Valadarense de Skate, responsável pelos quase 300 atletas da cidade. “Quando temos que competir, alugamos uma van e viajamos”, comenta o surfista do asfalto.

 
Não dá pra negar que os caras são style e sempre são reconhecidos por onde passam. O grafite e a música também fazem parte desse mundo de loucos e, as vezes, isso faz com que eles sejam mal interpretados. “É preciso separar o esporte das ‘outras coisas’. Tudo depende da cabeça de cada um e do apoio que recebe”, cometa Moacir.

 
Mas como já dizia o eterno “Marginal Alado”, “você tem direito de falar o que pensa, mas não tem direito de julgar quem não conhece. Liberdade de expressão é um direito de todos, mas em vez de falar, então faça algo que preste”. Esperamos que tenham curtido o texto de hoje da série “Desvendando Valadares”. Próxima parada: surf no Rio Doce.

 
Até!

 
30/01
2015

Apaixonados por Valadares

Mais um ano comemora a Princesinha do Vale, apelido carinhoso que Governador Valadares recebeu por ser a maior cidade banhada pelo Rio Doce. Você já deve ter percebido neste blog que sempre destacamos o que há de melhor por aqui, não é mesmo? Mas além de pontos turísticos, eventos e as possibilidades que temos nas áreas do esporte, cultura e lazer, algo a mais faz com que os valadarenses sejam apaixonados por essa cidade. É difícil explicar o caso de amor entre população e município. Por isso recorremos a três valadarenses de naturalidade e coração que contaram ao nosso blog porque amam Valadares.

“”Governador Valadares é minha cidade natal, aqui comecei a tocar meu violão no colégio aos 8 anos de idade, me profissionalizei e fui feliz com o reconhecimento do público local que me tem imenso carinho, só tenho a agradecer. Não vou dizer que não temos problemas, claro que temos, mas são problemas da mesma ordem que teríamos em ouros lugares, portanto, aqui é meu lugar e não tenho o que reclamar de minha carreira musical, tenho um público fiel e não precisei cair no mal gosto musical pra sobreviver. E viva a boa música! O que me faz amar GV é como amar a mãe, incondicionalmente a gente ama, ainda mais quando se tem uma mãezona como nossa Princesinha do Vale, pena estar abandonada e descuidada, mas isso é outro assunto!” (Marcelo Tiradentes – Músico)
 

“Gosto do lugar que vivo, apesar das dificuldades que há em nossa comunidade, considerada como um território de alta vulnerabilidade social, com sérios problemas de infraestrutura. Aqui conheço boa parte dos moradores e tenho laços de amizades. Não sei dizer porque amo Valadares. Mas, quando fico fora, sinto falta da conversa com os amigos na rua, que se estende até altas horas, da molecada brincando, do vento que corre fresco e da vista da cidade que só o esse pedacinho de terra tem. Espero poder contribuir para que o Carapina, assim como toda Valadares, se torne um lugar cada dia melhor para viver” (Sérgio Souza – Advogado e um dos líderes da comunidade do Carapina)

 
“Não sei ao certo o que me fez ficar por aqui, em Governador Valadares. Deve ser a água do Rio Doce. Dizem que quem bebe dessa água cria raízes por aqui, mesmo não sendo nativo. E, como sou nativo, aumenta ainda mais esse poder. Pode ser também o calor, ou o magnetismo da Ibituruna, ou a facilidade de andar em ruas cujo traçado é quase exato. Talvez não seja nada disso, apenas o fato de ser eu uma pessoa que se acostumou à vida nada agitada que há por aqui. Mesmo assim, sou uma espécie de cidadão do mundo, faço trabalhos para gente do Rio, São Paulo, Florianópolis, Boston, Houston, Alpercata, Belo Horizonte e por aí vai…”(Tim Filho – Jornalista)

 
Um músico, um advogado e um jornalista. O que há de comum entre eles? Marcelo não apenas gosta de música, ele faz música. Sérgio, como líder comunitário, não apenas gosta de projetos sociais, ele participa ativamente de projetos sociais -mais especificamente na comunidade do Carapina. Tim não apenas gosta de jornalismo, ele faz jornalismo. E assim os três constroem, dia após dia, a aniversariante que completa hoje 77 anos. Parabéns, Valadares!

 
16/01
2015

Desvendando Valadares: voo livre

Você é daqueles que vive sonhando em voar? Aqui você pode realizar! Bem-vindo (a) à Governador Valadares, cidade mineira reconhecida por ser a capital mundial do voo livre, “título” que ganhou após ter sido palco de grandes campeonatos de paraglyder e asa delta.
 
Nosso cartão postal e principal atrativo turístico da cidade é considerado um dos melhores picos do Brasil para a prática do esporte. Com seus 1.123 metros de altura, a Ibituruna tem pouca influência de ventos, o que a torna ideal para decolagem.
 
Se você está com o check up em dia e tem certeza de que o coração está batendo bem, é hora de voar! Procure entrar em contato com um piloto experiente. Profissionais de confiança são capazes de quebrar o receio de muitos que ainda pensam que o esporte não é seguro (um mito!). Pablo Milholo, instrutor e dono da empresa GV Fly, garante que “é totalmente seguro, apesar do ‘tabu’ que as pessoas criam”.
 
“O voo duplo não exige nenhum treinamento. Já o sozinho, há mais responsabilidades e, por isso, é necessário treinar de 3 a 6 meses com aulas teóricas e práticas. Além de ensinarmos questões de segurança e a forma de manusear os equipamentos, estudamos a meteorologia também. No final do curso, os alunos ganham o título de piloto e um diploma como forma de autorização que vale para todo país e até fora”, afirma Pablo.
 
A paixão do atleta pelo esporte é tão grande, que já deixou de herança para o filho Eros Milholo. “Meu filho voa desde os quatro anos. Ele sempre esteve ao meu lado e desde pequeno vi que tinha interesse e muito mais que isso, gostava do que eu fazia. Hoje aos 13 anos mostra não tem medo de ir sozinho”, revela.
 

420444_3482357616339_1056395271_n

Fotos do voo do recorde 130km – Pablo e o amigo Fernando Piuí 26/02/12.


 

Sobre os campeonatos

 
O calor valadarense é um dos principais fatores que fazem da cidade palco de campeonatos nacionais e internacionais. As competições sempre acontecem no verão -entre os meses janeiro e março- porque a maioria dos lugares ideais para a prática do voo estão com o tempo nublado e muitas vezes chovendo nesta época. Mas para Pablo, o clima é só uma pontinha do que a cidade pode oferecer: “O povo é acolhedor e os valadarenses são bonitos. Os pilotos geralmente procuram mais do que voar, eles querem se divertir, ir à baladas e conhecer novas pessoas” , comenta.
 
Se divertir é o que queremos sempre e se o lugar contribui, melhor ainda. Com um, dois ou mais dias na cidade agora você já sabe que é possível sim desfrutar do que só Governador Valadares pode oferecer através do esporte. Se você está em Valadares, deixe o medo no hotel e vá experimentar essa sensação deliciosa que é voar!

 
04/12
2014

Desvendando Valadares: rapel e escalada

Ao falar sobre esportes radicais em Governador Valadares o que vem à sua cabeça? Se a resposta for “vôo livre”, até que você conhece nossa cidade, mas nem só de voar vivem os aventureiros daqui.
 
Valadares é uma cidade bastante rica para a prática de esportes de aventura na natureza. Mas não se arrisque sozinho. Aqui existem empresas que promovem este encontro entre você e a natureza, como a Friends Adventure. Há mais de 3 anos essa turma realiza eventos e leva grupos para praticar esportes radicais. “As atividades são bem planejadas e conta com a maior segurança para todos os envolvidos, inclusive para equipe”, explica o biólogo Philipe Zan, um dos sócios da Friends, ao lado dos educadores físicos Breno Coelho e Brunno Denadai (ambos registrados no CREF e CRBIO).
 
Para a prática do rapel, existem vários locais seguros pra sentir a adrenalina e, de quebra, apreciar uma bela paisagem. No pico da Ibituruna há dois pontos preferidos da Friends, o “Rapel da Santa”, que envolve um nível mais técnico e o “Rapel do Mirante”. Outra opção seria a cachoeira Véu da Noiva no distrito de Pontal, onde Zan afirma que “é possível praticar um rapel bem legal e gostoso em dias quentes”.
 
Para escalada, a cidade também oferece um grande potencial. O pico da Ibituruna, nosso cartão postal, é o destino mais procurado. Lá tem a Via do Ralf e a Via do Catão com aproximadamente 400m cada. Tem também o “Quintal do Seu Adonias”, um setor de vias esportivas e bolders – escalada de baixa altitude, ótimo para treinar; a comunidade do Brejaúba e, ainda, a Pedreira do bairro Belvedere, que possui várias vias de escalada e diversos níveis de dificuldade.
 

Quem pode praticar

 
Não exige pré-requisito, faixa etária, altura e muito menos peso. Qualquer pessoa é capaz de fazer. No entanto é recomendado um curso básico, principalmente para exercitar os esportes que, sem dúvidas, oferecem riscos, que são calculáveis e minimizados quando a pessoa sabe ou tem as noções de segurança para a prática. Os equipamentos para praticar rapel e escalada são quase os mesmos: cadeirinha, mosquetões, fitas, freios (tipo 8 ou ATC), costuras e as cordas, um tipo para cada modalidade -estática para rapel e dinâmica para escalada. Todos devem ser manuseados e guardados com o maior zelo possível pois, durante a prática, é a sua vida que está em jogo. “Costumo dizer que os equipamentos de segurança são mais importantes do que sua namorada”, brinca Philipe.
 
Curtiu? Para mais informações entre em contato com a Friends através do celular 033 9965.3190 (falar com Breno) ou pelo e-mail friendsadventure@hotmail.com.
 
Dê o play para sentir um pouquinho do que essa galera apronta:
 

 

Newsletter